gallery/fcbook
gallery/instagram
gallery/foto-capa6

Minha rotina como au-pair 

Você está interessado em trabalhar como au-pair no exterior, mas não consegue dar o primeiro passo com medo do que te espera? Aqui eu vou contar um pouco da minha rotina como au-pair na Alemanha, na cidade de Frankfurt.

 

O meu dia-a-dia era basicamente sempre igual. Acordava às 7 hs da manhã e às 7:30 hs tomava café com as duas crianças mais velhas (3 e 5 anos), enquanto a mãe acordava e cuidava da menina mais nova (1 ano). As crianças comiam cereais com leite e enquanto isso eu preparava o lanchinho delas: pão com presunto e queijo e alguma fruta ou verdura. Nesse momento eu também tentava tomar meu café da manhã, mas às vezes deixava pra depois, dependendo do tempo que tínhamos.

 

As 8:20 hs eu levava as duas crianças para o jardim de infância. Eu levava a menor na cadeirinha da bicicleta e o menino de 5 anos ia com a própria bicicleta. Depois eu voltava pra casa e cuidava da bebê sozinha até o meio-dia. Ao longo da manhã eu brincava e passeava com ela, trocava as fraldas, fazia compras, arrumava um pouco a casa, lavava roupas (só na máquina) e preparava o almoço. A minha prioridade era a criança e todos os outros serviços eu fazia só se dava tempo. Isto os pais sempre deixaram bem claro. Eu não precisava me preocupar se alguma dia não tinha ido fazer as compras ou arrumado a casa, pois cuidar da bebê era o mais importante. A limpeza da casa era feita por uma mulher que vinha uma vez por semana. Só quando ela estava de férias que eu precisava ajudar a passar aspirador e tirar o pó. E isso eu também fazia de manhã, enquanto cuidava da pequena.

 

A mãe voltava ao meio-dia com as duas crianças maiores para casa. No almoço sempre tinha pão com manteiga, presunto e queijo. Para mim foi muito difícil de me acostumar a este hábito, como conto neste post. Mas sobrevivi! A tarde eu tinha curso de alemão das 13:30 às 17 hs. Eu fazia curso na Volkshochschule. Voltava então para a casa e ajudava a cuidar das crianças

enquanto a mãe delas fazia o jantar, que aí sim era comida quente, como o nosso almoço no Brasil.

Logo depois do jantar eu estava então livre e ia para meu quarto fazer as tarefas do curso e

descansar um pouco. Nos sábados eu trabalhava das 8 as 13 hs. Isso era um pouco ruim, pois eu

não podia viajar já na sexta-feira. Mas preciso dizer aqui que a família era bem legal e eu pude sim

pegar muitos sábados livres.

 

Nas terças-feiras a tarde a mãe das crianças trabalhava também. Ou seja, eu sempre faltava no curso de alemão neste dia. Esse era o dia mais difícil da semana, pois trabalhava das 7:30 da manhã as 8 da noite. Eu cuidava da bebê de manhã e a tarde cuidava das 3 crianças pequenas. Muitas vezes uma das avós vinha para me ajudar (uma bênção!), mas sem sempre.

 

Uma tarde de terça-feira de muita arte:

Gostou do artigo?

Compartilhe!

gallery/d9c32ddda3c88332f7d63d888f58f8fd.lock
gallery/minharotinacomoau-pair3
gallery/minharotinacomoau-pair2
gallery/minharotinacomoau-pair

A minha rotina era bem pesada: trabalhar de manhã, ir para o curso de alemão a tarde e a noite ainda tinha que estudar para o próximo dia de curso. Em comparação com outras au-pairs na época eu recebia muito bem, então aceitei trabalhar tanto assim também. E todo esse esforço valeu muito a pena. Como eu não falava inglês e tinha bastante contato com a família, dentro de algumas semanas percebi que já conseguia me comunicar muito mais em alemão. Neste período que morei com eles, eles eram mesmo como uma família para mim. Como eu tinha mais contato com a menina mais nova, pois passávamos a manhã inteira sempre sozinhas, eu tinha um carinho muito especial por ela. Comigo ela aprendeu a andar e a falar (e até pedir pra fazer xixi!) e isto foi muito gratificante. Nos final dos 10 meses pude olhar para trás e ver o quanto eu e ela aprendemos juntas. Eu ainda mantenho contato com a minha família hospederia e os visito de vez em quando.

Eu fiz aniversario depois de mais ou menos um mês que tinha chegado na Alemanha e esses são os
presentes que ganhei da minha família hospedeira. Esse foi o primeiro livro que li em alemão.
Na época eu não sabia que esta experiência como au-pair iria mudar tanto a minha vida. Eu moro até hoje
na Alemanha e não me arrependo nem um pouco de ter dado aquele primeiro passo há 8 anos atrás.
Procure informações, faça as malas e encare você também um mundo cheio de novas experiências e
oportunidades.

Se você já é au-pair na Alemanha conte aqui nos comentários como é a sua rotina com a família.  E se você precisa de qualquer ajuda, não deixe de me escrever através do Eu te ajudo.   

 

Autora: Fabíola Testoni

10/12/2016